Polícia revela vestígio que levou à prisão do suspeito de matar professor de dança

Redação

29 de maio de 2024

Rubens Augusto dos Santos, o Rubinho, era professor de dança e tinha 49 anos | Foto: Reprodução/ Redes sociais

O triste caso da morte do professor de dança Rubens Augusto dos Santos, o Rubinho, de 49 anos, assassinado dentro da própria casa, no bairro do Poço, em Maceió, ganhou um novo capítulo nesta terça-feira (28) com a prisão do suspeito, um jovem de 19 anos, que já era conhecido do instrutor e teria marcado para se relacionar sexualmente com a vítima, quando a golpeou.

De acordo com o delegado Arthur César, o suspeito vai fazer 20 anos no próximo dia 31 e estava levando uma vida “absolutamente normal e gastando um pouco mais”, segundo as palavras do delegado, após matar o professor. “Os indícios são muito contundentes, não dá para termos qualquer dúvida”, afirmou Arthur César sobre a autoria do crime.

A investigação seguia em sigilo, mas segundo o delegado, desde o início sabia-se que era alguém próximo da vítima. “Se conhecem há quase um ano, se conheceram num terreiro de candomblé, já passaram o Carnaval juntos e eventualmente saíam entre amigos. Eles tinham um relacionamento de amizade, frequentavam a mesma religião. No domingo, a gente acredita que a vítima tinha marcado de se relacionar sexualmente com ele, a gente acredita que ele enganou a vítima, deixando acreditar que realmente teriam uma relação sexual e quando teve oportunidade golpeou a vítima por trás”, detalhou a autoridade policial.

Durante o levantamento no local do crime, conforme o delegado, foi identificado “um vestígio importante”. “A gente soube que a vítima e o suspeito haviam estado em um restaurante, em Jacarecica, e neste restaurante uma câmera de monitoramento de boa qualidade que ajudou na identificação”, detalhou, acrescentando que outras imagens mostram que o suspeito foi a última pessoa a estar na residência do professor no dia crime. “As imagens de câmeras da vizinhança mostram que ele esteve com o suspeito na casa ao menos duas vezes e depois que esse suspeito saiu da casa tarde da noite ninguém mais retorna”.

Em posse das imagens, a polícia chamou familiares e amigos da vítima, que reconheceram o suspeito. A perícia não identificou sinais de luta corporal, o que para a polícia indica que o professor foi golpeado de surpresa. “Possivelmente um martelo, uma marreta. Não houve luta, ele foi pego de surpresa”, diz o delegado.

Mesmo com todas as evidências, o suspeito nega ter praticado o crime. “A gente acredita que foi um latrocínio, ele matou para roubar os pertences da vítima. Infelizmente com a negativa do suspeito, vamos ficar sem saber qual o instrumento utilizado. A gente sabe que ele é usuário de cocaína, não tem passagem pela polícia e que trabalha numa empresa de manutenção predial”, complementou Arthur César.

Rubinho foi encontrado morto com sinais de violência no dia 14 de maio de 2024, em uma residência na Rua Coronel Adauto Gomes Barbosa, no Conjunto Santo Eduardo. Pelo estado do corpo, a polícia acredita que ele foi morto dois dias antes do corpo ser encontrado.

Fonte: TNH1

Matérias relacionadas...