Após pedido da OAB, Tribunal de Justiça de AL deve agilizar processos no interior

id5

29 de abril de 2022

Após pedido da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL), o Tribunal de Justiça do Estado anunciou que vai adotar medidas para agilizar a análise de processos no interior do estado, especialmente no Sertão. O Judiciário informou que vai enviar novos magistrados para a região e que, nas comarcas que não forem preenchidas, o Programa Justiça Efetiva será utilizado.

“Temos 20 aprovados no concurso, e vamos nomear 12 de imediato, porque está dentro do nosso orçamento. A posse desses magistrados está marcada para a próxima segunda-feira (28). Daqui até o final do ano nomearemos o restante, o que deverá ajudar a desafogar essas comarcas”, afirmou desembargador Kléver Loureiro ao portal de notícias do Tribunal de Justiça.

Além da celeridade de processos no interior, especialmente no Sertão, a OAB/AL solicitou ao Judiciário o imediato retorno das atividades presenciais, compatibilizando o funcionamento do sistema judiciário com o amplo acesso aos fóruns e tribunais. Também foi solicitada a definição de locais para aleitamento materno em fóruns, comarcas e no próprio Tribunal de Justiça.

Por fim, a Ordem pediu a padronização de procedimentos quanto às audiências virtuais. Foram apontadas dificuldades, como, por exemplo, a ausência de recursos tecnológicos, a falta de padronização das plataformas utilizadas, a indisponibilidade dos contatos com as secretarias e o desrespeito aos horários fixados. As demandas serão analisadas pelo Poder Judiciário.

A presidente em exercício da OAB, Natália Von Sohsten, classificou o encontro com o desembargador Kléver Loureiro como positivo. “O presidente do Tribunal se mostrou bastante receptivo às demandas levadas pela Ordem, tanto que o pedido de análise de processos já foi atendido. Além disso, ele sinalizou positivamente para as demais demandas”, explicou Natália Von Sohsten.

De acordo com a presidente da OAB, os pleitos apresentados pela entidade buscam beneficiar diretamente a sociedade. “Se a advocacia sofre, os cidadãos e as cidadãs acabam não tendo o respaldo da Justiça. Apresentamos nossas demandas, mas nos colocamos à disposição do Judiciário para colaborar com a solução dos problemas identificados”, concluiu Natália Von Sohsten.

Matérias relacionadas...